<

Um cozinha um pouco aqui, outro rala a panela ali. Uma cerva chega na sacola térmica e vai fazer companhia as outras, que já estavam no congelador. É assim que se faz um domingo de primeira.E com comida boa. Aproveito prá dar essa receita que peguei num site de cervejeiros recentemente. Dou a minha versão desse Buraco Quente.

 

IMG_3171[1]

 

O Buraco Quente original, que faz sucesso em muitos bares paulistas, é feito com carne moída. A origem é portuguesa ou alemã. Há controvérsias. A minha versão levou alcatra, mas acho que fica melhor ainda com uma maminha ou fraldinha, já que alcatra quase não tem gordura e, nesse caso, ela pode ser benvida.

 

BURACO QUENTE

700 gramas de alcatra

uma cerveja preta barata (pode ser a velha malzibier ou uma Xingu, e não rime)

um pedaço de toucinho 

um pedaço de bacon

um pimentão

louro

noz moscada

três dentes de alho

uma cebola

 azeite

salsinha

uma pimenta de cheiro

 

COMO FAZER

Esquente a panela e tire a gordura da barriga de porco , um fio de azeite e coloque os alhos. Sele os pedaços de alcatra e reserve. Jogue a cebola,o bacon e o pimentão bem picadinhos e raspe com uma colher de pau todo resíduo da carne que grudou na panela. Volte a carne na panela e despeje a cerveja e o louro. Deixe cozinhando em fogo baixopor uns 10 minutos.Complete com água, se necessário, e leve prá pressão por uns 40 minutos. Desfie, raspe noz moscada e jogue a pimenta picadinha sem sementes. Deixe reduzir e sirva a carne em metades de pão francês (de sal). Polvilhe com salsinha.

IMG_3170[1]

 

A gente bebeu uma schwarzbier alemã , lager pero con propriedad, que cortou bem legal o sal e untuosidade do Buraco.

O prato principal foi feito pela Dona Paula : um belíssimo Arroz de Braga (Vinoteca/Alphaville) com uns chouriços espanhóis com muita personalidade. Este ícone português desceu acompanhado de algumas Heinekens.  

IMG_3172[1]

 

Ainda teve muita cerveja…

IMG_3187[1]

 

O sabor forte do Queijo de Cabra Defumado, com essa IPA season californiana, ficou ainda mais claro na boca.

IMG_3176[1]

A sobremesa, Mousse de Chocolate, caiu bem com a Travessia , da Theresópolis. Não tinha experimentado esta Tripel que ficou massa com o mousse.

IMG_3177[1]

E a cerveja da noite foi esta artesanal italiana prá quem valoriza “personalidade”. Acética,refrescante e licorosa, a Nora (Baladin) me surpreendeu por mostrar uma “patada” de alcoolicidade. Pesquisei depois e vi que , entre as peculiaridades desta ale, está um cereal egípcio : o kamut.  “- Prazer papapagaio !”

Egípcia ou não, é fabulosa…

iIMG_3179[1]

INESQUECÍVEL COMO A AMIZADE.

IMG_3183[1]

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES  

 

Salvador, 22 de fevereiro de 16

Bebedor de cerveja desde os 14 anos (hoje com 41), confesso que há uns 10,15 anos, vinha perdendo o prazer de tomar “uma gelada”. Não sabia dizer o porquê , até entender que não era eu que havia mudado, mas, as cervejarias. Ou melhor, o jeito delas fazerem as cervejas. A gigante Ambev elegeu como alvo a preferência do bebedor brasileiro e mundial pela cerveja fraca, quase insípida, e “leve” ,  de acordo com o que acredita a maioria das pessoas.

Resultado disso : ingredientes mais baratos, processos industriais “top” e marketing poderoso prá enfiar goela abaixo um líquido prá matar a sêde (às favas com a nova ortografia) e, que nem de longe, lembra daquela Antartica que tomei no início de minha carreira cervejística. Depois acabaram com a Bohemia, Original , e por aí vai…

Foi numa reportagem sobre cervejas especiais (ou, o termo que acho pernóstico,”gourmet”) que voltei a me apaixonar pela cerveja. Muito devo ao Bernardo, da ACERVA-BA (Associação dos Cervejeiros Artesanais da Bahia), principal fonte da matéria na época, por esta redescoberta.

Então vou parar de lenga-lenga e ir a esta harmonização : IPA Belga com Risoto de Linguiça de Maragogipe e Queijo Cuia. 

DSCN5497[1]

 

Escolhi uma linguiça que sou devoto ! Apesar de Salvador não ser uma cidade que se distingue pelas suas linguiças ( como se destaca o interior de São Paulo), o Recônvavo apresenta um embutido especialíssimo, mais conhecido como Linguiça de Maragogipe. Nunca acompanhei o processo de cura e defumação dela, mas é de um sabor impressionante , claro, conforme a origem. Se é mesmo de Maragogipe ou Nazaré das Farinhas, Santo Amaro, não sei dizer. O Queijo Cuia é o que eu tinha na geladeira de mais “gordo” para dar aquela cremosidade ao risoto.

DSCN5498[1]

Risoto de Linguiça de Maragogipe e Queijo Cuia

uma xícara e um pouco de Arroz carnarole ou arbóreo

meia cebola

um dente de alho

1 linguiça grande de Maragogipe (daquelas defumadas, que são encontradas na Feira das 7 Portas) +- 300gr

alho em pó ou frito a gosto

caldo de carne (prá esse, usei a água da pressão de um charque que fiz outro dia) quanto baste prá “bater” o risoto

azeite

uma colher de manteiga

raspas de Queijo Cuia, ou outro gorduroso, um provolone, gorgonzola…

 

Jogar a cebola picada no azeite. Passar rápido a linguiça picada no refogado, colocar o alho e o arroz. Vai acrescentando o caldo e batendo o risoto até ficar al dente . Desligue e jogue a manteiga prá dar aquela cor bonita e por último o queijo cuia prá agregar. Pode pôr o queijo na hora de servir também.

________________________________________________________________________

Harmonizar bem cerveja com o prato é uma arte mas também é, principalmente, um exercício de experimento. Em tese, uma Ipa Belga, revela um amargor típico de uma Ipa (estilo com origem britânica), com leveduras usadas na Bélgica. Nesta breja da Ogre, fábrica paranaense de São José dos Pinhais, ela se apresenta uma pancada de amargor que me pareceu pouco mais do que mandam os 7,3% IBU(unidade de amargos) no rótulo. Mais floral e herbácea no aroma, também se fez sentir flores e ervas no sabor, embora em menos conta. Nunca tinha bebido uma Ogre. Deu tesão de conhecer os outros estilos da marca. A garrafa , 600ml, custou 21 merréis. Com mais a linguiça (22 o quilo, na 7 Portas), e umas raspas de Cuia, tá ruim o preço da harmonização ? KKKKKKKKKK

DSCN5500[1]

O salgado e o defumado da Linguiça de Maragogipe, além da untuosidade da manteiga e do Cuia foram quebrados pelo “amargo cigano” da breja. Valeu paracaraca !!!

AH… RANGO FEITO E CERVEJA ABERTA NA NOITE DA MORTE DE B.B. KING !!! PRÁ ACOMPANHARO NO “TOCA DISCO”, ROLOU “BLIND LOVE” https://www.youtube.com/watch?v=7JceGTxXrUI. AMOR TÃO CEGO, COMO ESTÃO EM FESTA OS CORAÇÕES DOS ANJOS PRÁ RECEBEREM  B.B. E SUA LUCILLE LÁ ENCIMA !!!

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES !!!

Salvador, 18 de maio de 15