<

No dia das Mães fui para Santa Bárbara D’Oeste, interior de São Paulo, dar um beijo em Dona Clara. É minha cidade natal “adotada” já que nasci em SP. Na segunda-feira , como de praxe quando estou SBO, fui jantar no Bar do Paraná. O bar “fecha” toda segunda, ou melhor, fica aberto com meia porta para os amigos que topam “rachar” a janta (ano passado preparei o acarajé e vatapá para os barbarenses).

DSCN5478[1]

O chef da noite foi o amigo Gabriel. Mandou benzaço !

Vão duas dicas legais do mestre :

– na hora de empanar o filé, colocar noz moscada “prá quebrar um pouco a nhaca do ovo”, segundo o Gabriel.

– capriche no molho feito com tomate “mesmo”, sem tretapack. Ah ! Ele também bate cenoura e beterraba cozidas, como são doces ajudam a tirar a acidez e , de quebra, dão uma cor legal.

DSCN5463[1]

Gabriel , o chefe da noite

Conheço o Paraná desde que ele chegou à Santa Bárbara D’Oeste. Isso há uns 20 anos. Sabe aquele cara gente boa, que seduz a todos com seu jeito divertido ? Tá aí … Penas que as mulheres não o levem a sério, rsrsrs… É mais fácil você achar um alemão que não goste de cerveja , do que o Paraná acompanhado de uma dama.  Muito disso graças ao mito que o próprio criou em torno da sua fama de “não pegar ninguém, nem resfriado”. Não adiantou comprar carro, virar empresário, nem abrir um face … Quer encontrar camisinha vencida? É só procurar no bolso do Paraná !!!     

DSCN5481[1]

Paraná, uma figurinha carimbada de Santa Bárbara

Em compensação completou um ano de tremendo sucesso com o bar em SBO. Parabéns e muitos anos de vida, a você com esse coração véio,e ao buteco.

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES !!! 

 

Salvador, 14 de maio de 15