<

Beber (e bem) com os amigos… Tem coisa melhor ? Pois é…

Ainda não tive o prazer de conhecer a Brooklin no famoso endereço americano (um dia vou), mas com certeza deu prá ter um gostinho dela na última viagem à São Paulo (a metrópole que deveria se chamar Corinthians).

cateto1

A pegada foi no Cateto, uma cervejaria massa em Pinheiros.  O Brooklin Brewery Brasil & a distribuidora Beer Maniacs organizaram a “parada”.

Num frio desgraçado, a régua de Brooklins esquentou a noite (todas birras maturadas em barris de Bourbon).

Foi também o lançamento da Improved Old Fashioned, isso mesmo, inspirada no famoso drink de Centeio. Explodiu no álcool com os anunciados 12,8% e estourou no cítrico.

 

Também rolou uma feminina Kriek ( que, com um ensopado de coelho, bateu “de prima”). A Black OPS só não surpreendeu mais que a Hand & Seal , a mais impressionante da noite (complexa e flor no talo).

No tap ainda bati (até onde me lembre) 1 IPA e 3 Sorachis, a badalada farmhouse da Brooklin. Foi a primeira vez que experimentei a birra com esse lúpulo japonês ( raspa de cítrico e outras cositas que, confesso, meu paladar juvenil não sabe distinguir).

brooklyn-sorachi-ace

A foto da Sorachi Ace é “by internet”, porque não deu prá registrar muito a noite. Nem precisa dizer porque , né ? rsrsrs… Faltou também foto da  The Original Wallies Band, uns caras que quebram muito bem como as velhas Streets Jazz… Achei aqui na net…    https://www.youtube.com/watch?v=6FxuNUHNnbY

IMG_3587[1]

Se faltou foto, sobraram novas e velhas amizades. Esse aí é o Marco Koch que representa a Brooklin , e escolheu a dedo o local pro lançamento.

Embaixo o grande Grilo, amigo de 23 anos e dos idos da Unimep, nossa Facú de Jornalismo. Bão dimais e prontos pro encontro da galera da faculdade que completa 20 anos de formatura. Piracicaba aí vamos nós e com a nossa cerva, prestes a ser brassada, a “Galera Animada Unimep”, uma wit que promete…    

IMG_3592[1]

 

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

 

Salvador, 14 de junho de 16

As quintas-feiras estão mais gostosas na Barra para quem gosta de cerveja de verdade !!! Há duas semanas peguei a bike e desci prá lá (é do lado de casa) …

A parada é no Barra Hostel onde está rolando o Quintas On Tap.http://www.alberguebarra.com.br/

on tap

A Kombita é uma kombosa especialmente modificada com torneiras engatadas em barris, ou postmix com variados, estilos de cervejas especiais. QUEM FOI AO ENCONTRO DE FIM DE ANO DA ACERVA BAIANA VAI LEMBRAR DA “DIVINA”, OUTRA KOMBI BACANA COM A MESMA PROPOSTA DE LEVAR ITINERANTEMENTE BOA CERVEJA…

DSCN7577[

DSCN7585

Na noite que passei por lá, tinham 3 estilos : IPA, American Wheat e uma Stout. E a Devassinha ordinária, rsrsrs 

 

 

O ambiente é superbacana com uma discotecagem ” de leve” e uns petiscos. O barato é que vira ponto de encontro de cervejeiros caseiros e apreciadores da bebida.

DSCN7582

Os “eletromecânicocarpinpedreiros” Diogo e Daniel (que fizeram de tudo pra montar a microcervejaria deles , de carpir o terreno a desencapar fio)  foram os responsáveis pela IPA da noite. A Rio Vermelho, nasceu da paixão dessa dupla que “descansa carregando pedra” na cozinha do malte.

DSCN7583

 

 

Conheci o Tiagão, da Darcelina (só o conhecia de nome, e pela fama de bom cervejeiro, que se comprovou). Ele fez uma “préza” prá quem tava na área. Apresentou a Guerreiro que tava Cascade na veia.

DSCN7587

Além de ser uma Apa de “responsa” , tá com um rótulo massa !!!

DSCN7588

 

Ah … Já ia esquecendo da Wheat da noite : do Adriano Bovo ,parceiro cujo único defeito é torcer prs Bibas do Morumbi, rsrsrsr

O cervejeiro-ortopedista , que “quebra nossas canelas”  com tanta  cerva boa, prá variar, mandou bem nesse estilo refrescante da Sotera.

É ISSO !!! TÁ CADA VEZ MAIS LEGAL NOSSO CENÁRIO CERVEJÍSTICO EM SSA GRAÇAS A ESSA GALERA QUE PRODUZ MUUUUIIITOOOOO… 

 

ATT .: DEPOIS DO POST NO AR FIQUEI SABENDO O “CARDÁPIO” DESTA QUINTA, DIA 26 : CAVALO DO CÃO, UMA RAUCHBIER QUE VEM DO VALE DO CAPÃO… POR ISSO NÃO TENHO INVEJA DE JORNAL, PQ SE TIVESSE RODADO FUDEU !!!

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

Salvador, 24 de maio de 16

Passagem barata e viagem descolada na última hora. É uma mania que, reconheço, não é apreciada pelas mulheres. Algumas namoradas já ficaram loucas com isso. Mas sou assim !

A última foi prá Sampa. 72 horas virado num mói de coentro ! Primeiro : amigos buscando o mancebo no aeroporto de Campinas. Às 10 da manhã, esperando a galera prá correr prá Santa Bárbara, a primeira do dia. Uma Dunkel, da Eisenbahn (aí embaixo). Seguida de uma Pale Ale

IMG_3360

 

Depois das duas primeiras do dia, essa quadrilh , ops, não… Essa rapaziada (tá melhor ?) me pegou em Campinas e fomos direto para o buteco de Dona Socorro, na Vila Linópolis, bairro do meu glorioso Unidos (time de várzea trocentas x campeão em SBO).

IMG_3424[1]

 

O breakfast por lá foi esse aí. Caldo de Mocotó que a Socorro , paraibana há mais de 30 anos no interior de São Paulo, faz perfeitamente.

IMG_3361[1]

 

Como Caldo de Mocotó desde criança. Depois do futebol pela manhã, meu pai me levava aos butecos prá degustar esta delícia. Confesso que quando mudei prá Bahia achei que encontraria facilmente essa delícia. Não é o que acontece. Por aqui, se come muito mais o Feijão reforçado com o Mocotó. Como depois teve um Sarapatel e a pegada seguiu forte, me esqueci de pegar a receita com ela. Segue uma da Ana Maria Braga, prá quem gosta de algo forte.

http://gshow.globo.com/receitas-gshow/receita/caldo-de-mocoto-4d50e49552e0b252bc008961.html

Em casa, beijo nessa fofurinha do tio…

mirela

No outro dia, jogo do Timão e passada na quadra da Gaviões da Fiel. Fazia tempo que não pegava essa Feijuca que é de primeira, com direito a couve frita e torresminho.  O amigo Samuel, com quem já rodei muita arquibancada Brasil afora, foi o parça nesta empreitada.

IMG_3370[1]

 

Na Arena show da torcida e casquetada do surpreendente e audacioso Audax. Coisa pouca prá quem já tá calejado com as derrotas e entulhado de vitórias.

IMG_3384[1]

IMG_3397[1]]

Prá finalizar a noite, uma rodada pela Praça da República e Largo do Arouche, no centro de SP , onde estávamos hospedados e parada num dos mais tradicionais restaurantes de Sampa : O Gato que Ri. Com mais de 60 anos, esta pérola da clássica gastronomia, tem o nhoque como prato mais famoso. Peguei uma opção que tá no Restaurante Week : Picanha de Cordeiro com uma entrada de Folhas e Carpaccio.

IMG_3408[1]

O risoto que acompanhou a carne, tava meia boquíssimo, mas a Picanha maravilhosa. Troquei o Petit Gateau por uma Pudim de Leite , doce que sempre me arrependo de pedir pq a minha referência é o Pudim de Leite Condensado de Dona Clara : incomparável.

IMG_3410[1]]

Agora é esperar a próxima !!! A Libertadores continua …. rsrsr

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES 

 

 

Salvador, 26 de abril de 16

O Panela de Bairro , nosso quadro de todo sábado no Bahia Meio Dia, está completando um ano e ultrapassando a casa dos 600 mil votos pelo nosso g1.com.br/bahia… E você vai conhecer a história de participantes do quadro que se destacaram nesse 1 ano. São 4 lindas histórias de empreendedorismo e vitória dos chefes de bairro que aproveitaram a oportunidade de aparecer na telinha da TV BAHIA !!!

logo

Aqui no Ralando a Panela a gente vai dar mais informações.

O sucesso do “Panela”  é você quem faz ! Toda última semana do mês , a votação é aberta e você ajuda a escolher o chefe do bairro do mês.

E já foi ao ar o primeiro prato concorrente.

DSCN7163

 

 

O Possáite, do Jardim das Margaridas, veio com a receita de Abará com Moqueca de Siri acrescentado na massa.

DSCN7152

Clique e assista :

http://g1.globo.com/bahia/bahia-meio-dia/videos/v/panela-de-bairro-ensina-receita-de-abara-com-moqueca-de-siri-veja/4929128/

No próxima semana você conhece o segundo concorrente de Abril. Aqui já adiantamos os “bastidores” da reportagem.

DSCN7240

Você vai descobrir por onde anda o Juvená que marcou época em Salvador com uma das barracas mais concorridas da cidade nas festas de Largo e em Itapuã durante as décadas de 70,80 e 90…

Vamos ensinar a fazer um Polvo na Cerveja.

DSCN7255

A receita é do Ricardo , filho do Juvená, que além de cozinhar manda bem no samba. Junto com a galera do Grupo Samba e Sêde ele “ralou a panela” e fez samba da melhor qualidade.

DSCN7265

Tá imperdível : é no próximo sábado, dia 9 de Abril… Saboreie nesse convite :

http://g1.globo.com/bahia/videos/v/panela-de-bairro-ensina-receita-de-polvo-com-cerveja/4933215/

Até lá !!!

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

 

 

 

 

Salvador, 05 de abril de 16

Um cozinha um pouco aqui, outro rala a panela ali. Uma cerva chega na sacola térmica e vai fazer companhia as outras, que já estavam no congelador. É assim que se faz um domingo de primeira.E com comida boa. Aproveito prá dar essa receita que peguei num site de cervejeiros recentemente. Dou a minha versão desse Buraco Quente.

 

IMG_3171[1]

 

O Buraco Quente original, que faz sucesso em muitos bares paulistas, é feito com carne moída. A origem é portuguesa ou alemã. Há controvérsias. A minha versão levou alcatra, mas acho que fica melhor ainda com uma maminha ou fraldinha, já que alcatra quase não tem gordura e, nesse caso, ela pode ser benvida.

 

BURACO QUENTE

700 gramas de alcatra

uma cerveja preta barata (pode ser a velha malzibier ou uma Xingu, e não rime)

um pedaço de toucinho 

um pedaço de bacon

um pimentão

louro

noz moscada

três dentes de alho

uma cebola

 azeite

salsinha

uma pimenta de cheiro

 

COMO FAZER

Esquente a panela e tire a gordura da barriga de porco , um fio de azeite e coloque os alhos. Sele os pedaços de alcatra e reserve. Jogue a cebola,o bacon e o pimentão bem picadinhos e raspe com uma colher de pau todo resíduo da carne que grudou na panela. Volte a carne na panela e despeje a cerveja e o louro. Deixe cozinhando em fogo baixopor uns 10 minutos.Complete com água, se necessário, e leve prá pressão por uns 40 minutos. Desfie, raspe noz moscada e jogue a pimenta picadinha sem sementes. Deixe reduzir e sirva a carne em metades de pão francês (de sal). Polvilhe com salsinha.

IMG_3170[1]

 

A gente bebeu uma schwarzbier alemã , lager pero con propriedad, que cortou bem legal o sal e untuosidade do Buraco.

O prato principal foi feito pela Dona Paula : um belíssimo Arroz de Braga (Vinoteca/Alphaville) com uns chouriços espanhóis com muita personalidade. Este ícone português desceu acompanhado de algumas Heinekens.  

IMG_3172[1]

 

Ainda teve muita cerveja…

IMG_3187[1]

 

O sabor forte do Queijo de Cabra Defumado, com essa IPA season californiana, ficou ainda mais claro na boca.

IMG_3176[1]

A sobremesa, Mousse de Chocolate, caiu bem com a Travessia , da Theresópolis. Não tinha experimentado esta Tripel que ficou massa com o mousse.

IMG_3177[1]

E a cerveja da noite foi esta artesanal italiana prá quem valoriza “personalidade”. Acética,refrescante e licorosa, a Nora (Baladin) me surpreendeu por mostrar uma “patada” de alcoolicidade. Pesquisei depois e vi que , entre as peculiaridades desta ale, está um cereal egípcio : o kamut.  “- Prazer papapagaio !”

Egípcia ou não, é fabulosa…

iIMG_3179[1]

INESQUECÍVEL COMO A AMIZADE.

IMG_3183[1]

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES  

 

Salvador, 22 de fevereiro de 16

A foto aí encima mostra um soldado confederado. É a arte do rótulo da American IPA da Cevada Pura. E vem bem a calhar porque essa região do interior de São Paulo foi a escolhida como nova “casa” pelas famílias sobreviventes da Guerra da Secessão, isso lá pelo idos de 1870. E é com esse pioneirismo que a Cevada Pura , criada em 2001, vem se firmando como uma cervejaria que investe na diversificação de estilos.

Conheço a cerva (na época somente on tap) desde o início da marca, quando um singelo camelo era o símbolo da dita cuja. Com a segmentação  das garrafas e a expansão para outros mercados (abrangendo outras regiões do interior de SP, capital e até Maceió- AL) , houve a necessidade de dar uma atenção especial à “arte” de sua marca e rótulos.

cevada-pura3

Me amarrei neste  soldadinho aí. Ainda mais porque sou de Santa Bárbara D’Oeste (há 20 km de Pira) , terra que recebeu as famílias de imigrantes do Sul dos Estados Unidos. Foram as lavouras de SBO que sentiram pela primeira vez o corte dos arados no país. Claro, trazidos pelos sulistas derrotados por Abrahn Lincoln e seus asseclas nortistas. Esta American IPA é uma das melhores cervejas da marca : respeita o estilo sem ousadias.

DSCN6454

A Café e Cacau  é outra boa surpresa prá quem quer algo mais “pesado”. As sementes do cacau vêm de uma fazenda do Sul da Bahia e marcam esta Brown  Ale que é uma cerveja colaborativa. O cervejeiro Wayne Wambles, da Cigar City (Flórida), baixou em Pira e numa troca bacana de experiência deu pitacos sobre a produção ajudou a formatar a característica desta bela cerva. Rasga no café e deixa aquela sensação gostosa no palato de “quero mais”.

DSCN6468

 

O cervejeiro da casa não é irlandês , apesar da cara !!! O Daniel Ramiro sempre foi “paneleiro”. Há alguns anos o professor deixou as aulas de História e Sociologia para se profissionalizar. Fez o curso de Sommelier no Senac, de Águas de São Pedro, que tem a chancela da Doemmens. Depois fez o curso de cervejeiro, do Senai, de Vassouras-MG. Hoje toca o barco da Cevada Pura e aposta em diversificar os estilos.

DSCN6484

Esta, aí debaixo, é um exemplo. Foi lançada ano passo em pequena escala e tive a sorte de visitar a cervaria quando ela estava quase pronta prá ser envasada. A Kolsch é refrescante, leve e com aroma e sabor característicos do estilo. Bebida fresquinha foi um dos prazeres desta viagem.

 

DSCN6487

 

DSCN6451

 

A visita aliás é aberta, desde que marcada com antecedência. A fábrica tem duas unidades e capacidade para produzir 2.500 litros. Tem uma lojinha bem bacana  onde está exposto todo o portfólio da marca, além de taças e camisetas como esta aí que enaltece patrimônios culturais de Pira, entre elas a Pamonha . Pena que só tinha GG, rsrsrs…

DSCN6457

O Alexandre Moraes é um dos proprietários. Está animado com a nova fase da cervejaria e o “boom” do negócio nos últimos anos. Aposta na qualidade e ações pontuais de marketing para garantir o crescimento das vendas, tanto da cerveja embarilhada, como das garrafas : as entregas já são feita em pontos de venda em Recife e também aqui em Salvador. A Vitrine da Cerveja, do Claitão ,geralmente tem as brejas.

DSCN6502

A cerveja, como o Corinthians, é sempre um bom motivo prá fazer novos amigos. Salve Daniel !!!

DSCN6500

http://www.cevadapura.com.br/

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

 

 

 

Salvador, 25 de novembro de 15

Saudade de vcs !!! O primeiro post depois das férias chega com brejas especiais na cidade que é a Meca dos Butecos : minha querida BH !!

Logo depois de descer do avião prá visitar amigos e assistir o Coringão detonar o Atlético-MG, nada melhor que “molhar a goela” por ali mesmo, no Aeroporto de Confins.

Prá abrir o trabalhos, no tap, a Capitão Senra, a boa  AmberLager da mineira Backer.  

IMG_2791

Depois de garantir o ingresso para o jogo, ainda tinha dois dias prá me preparar para peleja que só seria disputada no domingo. Hora de almoçar ! Pausa no famoso Bar do Antonio, no bairro do Sion. Dúvida cruel entre a Língua fatiada com Molho e este clássico mineiro aí debaixo : o Tutu, Couve, Ovo Frito e Linguiça Caseira, fiquei com ele.  

IMG_2794

 

O bar também é conhecido como pé-de-cana. Porque, nas calçadas margeando a budega, ao invés de árvore, só pés da “mardita”. Fruto , acho, de algum cliente espirituoso.

IMG_2797

No lugar me impressionou a variedade de estilos oferecido pela KÜD. Escolhi esta ESB, caprichosamente sêca, e com nome supersugestivo, porque Sarcasmo seria o estado de espírito com que encararia esta viagem onde teria que entrar no Estádio Independência com o cartão de sócio-torcedor do Galo, de um grande amigo mineiro. Explico : conseguir  ingresso para torcida corinthiana estava impossível devido ao pouco número e a enorme procura dos alvinegros que invadiriam BH em breve. O jeito foi entrar pelo acesso atleticano e dar meus pulos lá dentro prá colar com a Fiel. 

IMG_2793

 

Depois do rango veio a Red, (ou Ambar, como preferirem) Lager da nova família da Brahma Extra… Achei um toque a mais de dulçor do que encaro como ideal para o estilo, mas valeu a pena. Ao contrário de Salvador, onde a Ambev pouco dá atenção aos bares que tentam oferecer qualidade ao freguês, em BH a família Brahma (com a Lager e a Weiss) está em qualquer buteco pé sujo. 

IMG_2795

 

No dia do jogo, festa total do Galo !!! Calma !!! Antes do jogo, é claro…

IMG_2828[1]

 

Curti a “festa de ilusão” dos torcedores no Horto, em um bar que é ponto de encontro tradicional da torcida mineira. À paisana, homenageando Cartola, conheci o Chef Túlio, esse aí debaixo. Há 15 anos o butiquim prepara os tradicionais pratos mineiros com o toque do chef que “toca” o empreendimento com a ajuda dos filhos apaixonados por cerveja. Tanto que lançaram a própria marca, a Santa Tulipa.   

 

DSCN6556

 

Os garçons se mostraram perdidaços quanto aos estilos. Pedi uma IPA e trouxeram uma Bitter. A diferença ?

“- Nenhuma ! É boa também.”, disse o tiozinho, rsrsrsrs…

A cerva estava bacaninha…  A Blonde, que só tinha em garrafa, veio de uma leva ácida demais.  Tudo acompanhado do velho Torresmo de Barriga e Mandioca frita. 

DSCN6558

Na foto, ainda como corinthiano infiltrado, me aproveito com bom humor dos atleticanos (com o “Kalil”, eterno e linguarudo presidente do Atlético-MG”).

IMG_2829

 

IMG_2837[1] GRITOS DA FIEL

A festa com os 3 a 0, como todos sabem, ratificou o título brasileiro para o Timão.

IMG_2840[1]

 

E o jeito foi comemorar. E já com a faixa no peito !!! No próximo post tem visita à Cervejaria Cevada Pura, de Piracicaba !!! Com uma Kölsch sensacional !!!

IMG_2841[1]

ESTE POST É UMA HOMENAGEM A MINHA AMIGA CAMILA MARINHO, UMA ATLETICANA DE BOA CEPA (ACOSTUMADA A “CEPARADA” PELO TIMÃO)

CAMILA

ABRAÇO 

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Salvador, 13 de novembro de 15

O vinho sempre foi a bebida para harmonizações por excelência. Talvez pelo caráter um tanto quanto “bacaninha” da bebida. Na Idade Média, na Europa, cerveja era a bebida da plebe e o vinho da nobreza. Mas desde as perambulações do Mestre Michael Jackson (não o do “moonwalk”)  pelo meios cervejístico-culinários , essa história mudou de figura.

Se em outros estados é comum encontrar bares e restaurantes que sugerem harmonizações, aqui em Salvador estamos engatinhando. Salvo algumas prazerosas exceções.

DSCN6096[1]

É o caso do Carro de Boi (Boca do Rio) que promoveu uma tarde de degustações com alguns blogueiros e mostrou uma Carta de Cervejas com muitas sugestões prá lá de jóinhas.

DSCN6109[1]

Teve essa aí de cima : Escondidinho de Purê de Abóbora e Fumeiro com  a Dunkel, da Benediktiner (um estilo de trigo com grãos mais tostados e que é meu preferido em matéria de Weiss).

Aí embaixo a Altbier da Bamberg (fábrica que vou visitar em Votorantim-SP prá trazer pro blog nas minhas férias em outubro). A Alt é um estilo típico de Dusseldorf, na Alemanha. A secura desta cerva acobreada foi confrontada com um Bode servido com farofa d’água. A carne estava uma “manteiga” de derretendo.

DSCN6111[1]

A Vedett, a wit de garrafinha simpática da Duvel, trouxe sua característica cítrica e temperada para se “achegar” ao Bolinho de Bacalhau no melhor estilo português ( salve meu Vô Henrique de Trás-os-montes, que fazia muito bons).

DSCN6103[1]

Teve também este Bolinho de Feijoada hiper-mega-prime, rsrsrsr. Com recheio de couve e bacon, ele foi levado numa harmonização por semelhança com mais uma especialidade da Bamberg.

DSCN6127[1]

A Rauchbier é um estilo de Bamberg , cidade alemã que inspirou o empresário-cervejeiro Alexandre Bazzo a criar a sua própria “Bamberg brasileira”. Ela é uma cerveja “complicada” para aceitação de recém-iniciados, rsrsrs. A Rauch é feita com uma proporção de malte defumado, o que assusta o “peão novo”. Caiu perfeitamente bem com o bolinho.

DSCN6115[1]

 

E prá cair para a sobremesa, a indefectível Liefmans, na versão on the rocks. Não ! Não é aquele chopp de vinho que algumas “choperias” ofereciam prá mulherada. Confesso meu preconceito quanto as “fruits” , geralmente me “sôam” artificiais . Lembra aqueles chicletes Ping Pong de morango ? Ou então porque parece feita prá mulher ou sãopaulino, sei lá… Mas desta vez : apreciei !!! Talvez empolgado, por tanta coisa boa que já tinha sido consumida adorei esta cerva que mistura cereja e outras frutas vermelhas.

Mas acredito que o que me ganhou mesmo foi a harmonização com o cupcake com recheio , acho que de framboesa ou amora. Morder o doce e bebericar a Liefmans por cima foi bárbaro. E olha que não sou formigão. 

DSCN6143[1]

 

E quando achava que ia embora feliz e contente, pintou ainda chocolate com 70% de Cacau. E o melhor, feito aqui na Bahia. O Zé Raimundo, no belíssimo Globo Repórter em comemoração aos 30 anos da Rede Bahia, visitou a Fazenda Limoeiro da Maltez, em Ilhéus. Olha o link da reportagem aí

http://redeglobo.globo.com/redebahia/noticia/2015/07/globo-reporter-especial-mostrara-historias-dos-30-anos-da-tv-bahia.html

Enfim…Td bão demais… E parabéns ao Vinício, sommelier de cervejas que produziu a “bagaça” toda.

DSCN6106[1]

Carro de Boi

Avenida Eugênio Sales, 23

Boca do Rio

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

Salvador, 31 de agosto de 15

 

O Jonas é o cervejeiro responsável pela GROGUE (Aurélio, Grogue .: é bebida feita de aguardente ou rum, água quente açucarada e limão. Adj. Diz-se de quem está bêbedo ou como bêbedo). Creio que o nome foi dado mais pela segunda opção (a do adjetivo) já que não se trata de um destilado , e sim, de uma excelente breja. Conheci o Jonas no Ronchus Pub (Rio Vermelho) e , de cara, qual o assunto ? Cerveja, é claro ! Tinha duas no carro e me presenteou : com uma Lager que , apesar de nofilter , é bem límpida , aparência conseguida apenas pela decantação da bebida. Tava uma delícia e me lembrou bastante a Gold, da Teresópolis. O Jonas é um desses cervejeiros que encantam pelo entusiasmo com que falam da vontade de fazer da nanomarca, uma pequena cervejaria de verdade. Seria muito legal que a marca crescesse por lá mesmo em Brumado, perto de Mucugê. A Chapada Diamantina vem se destacando pelo grande número de (bons) cervejeiros. Não é à tôa que a galera da Acerva-BA escolheu Lençóis para ser o destino deste São João da turma.

DSCN5963

 

A outra cerva foi uma Belga, de cor marrom escura e boa formação de espuma. No aroma bateu uma leve ameixa. Com dulçor típico do estilo fechou amargando, com vontade de quero mais. Uma belezura. Ainda mais com o acompanhamento :um Arroz Carreteiro, que adoro fazer, usando as sobras do churrasco do domingo.

DSCN5960

Prá mim não esta história de desperdício não rola ! Sabe aquela carne que vai esfriando na grelha e no espeto ? Vai tudo prá um Tupperware (essa foi fora de moda , viu ). No outro dia ainda descolei umas linguiças de Erva-Doce da última remessa que a Dona Clara trouxe de Sta Bárbara D’Oeste. Elas entraram no Carreteiro que ficou de prima !!!

ABRAÇO

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

Salvador, 27 de agosto de 15

SABE DE NADA INOCENTE !!!

Com este bordão, cheio da melhor malícia Bahia style , Cumpádi Washington provocou furor no mercado publicitário com o “reclame” (esta é velha, hein ?) da OLX.

Botou Supla e Tiririca no bolso no quesito ibope garantindo sucesso da campanha no ano passado. A propaganda ajudou a dar novo gás no pagode do É o Tchan e agora vai  colocar o nome da Bahia no meteórico mercado nacional das cervejas especiais. O nicho cresceu 25% no Brasil no ano passado, de acordo com Douglas Costa, “todo poderoso” do marketing da Brasil/Kirin (Baden-Baden, Eisenbahn). Uma porrada no aguado mercado mainstream que apresenta, se tanto, crescimento na casa decimal.

 

IMG_2439[1]

 

O estilo Pilsen foi o escolhido. Tem 4,1% de teor alcoólico (ao contrário do rótulo aí encima. Explicação : ele ainda estava sendo elaborado quando chegou às mãos deste blogueiro).O IBU, abreviação de International Bitter Units, que trata-se de uma medida para averiguar quão amarga é uma cerveja, é 9 ( o que indica um suave amargor,alguns estilos podem chegar a 120 IBUs ). Esta Pilsen tem a cor amarelo dourado e, no aroma, notas de malte se equilibram com o floral do lúpulo. No sabor, uma boa relação entre o malte e o amargor. Particularmente prefiro as Pilsens mais lupuladas (na pegada tcheca, em torno de 40 IBUs). Mas a escolha tem explicação  São características mais próximas do que o consumidor de cervejas não artesanais está acostumado. A idéia é evitar dar um susto aos não-iniciados no universo cervejeiro.

Nos três primeiros meses de operação, o produto estará disponível em 11 estados, além da Bahia: Sergipe, Pernambuco, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Santa Cataria, Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Paraná, Espírito Santo e Pará. Nunca uma marca de cerveja genuinamente baiana,  teve tamanho alcance. Em Salvador, será possível encontrar a Cerveja Inocente em diversos restaurantes, conveniências e casas especializadas.

A sacada da escolha do garoto-propaganda (que, reza o contrato, leva um caraminguá , a cada unidade vendida)   partiu de Guilherme Pauperio, do  Pub Ronchus Beer. Prá quem já é putavéia nas cervas artesanais em Salvador, com certeza sabe que a bagaça fica no Rio Vermelho e dá gosto de ver a quantidade de rótulos que por lá se espalham.

Fotografia de João Alvarez

Os empresários Ricardo Motta, Guilherme Pauperio e Leonardo Miranda. No meio , precisa dizer ? Inocente !!!

 

A aposta do empresário, e apaixonado pelas cervas artesanais,  é que a personalidade divertida do Cumpádi seduza o consumidor nacional. Acredito que acertou na mosca ! Washington é um fenômeno underground e , consequentemente, superidentificado com o “mundo” dos antenados bebedores das cervas artesanais.

Fotografia de João Alvarez

É só tirar como base o sucesso antigido pela Biritis, Brassaria Ampolis  (Serra Negra-SP). As excelentes vendas desta Vienna, uma delícia diga-se de passagem, se devem muito ao nosso simpático e eterno trapalhão : o Mussum

biritis2

 

A cervejaria que vai produzir a “Inocente” não tem nada de “Poliana”. Ela tem 3 anos de vida e vai engarrafar sua Pilsen (Golden Eye) com o rótulo do Cumpádi com capacidade de produção garantida. O pátio da fábrica em Votorantim-SP ( a mesma cidade da excelente Cervejaria Bamberg ) tem capacidade para 100 mil litros/mês . Este blogueiro já apurou que a “Inocente” vem, em breve, com receitas em estilos mais, digamos, ousados : vão pintar uma IPA, Double IPA E Stout. A produção de uma microcervejaria, no caso a paulista, já estabelecida no mercado é fundamental para conseguir uma distribuição nacional.

hoffen bier

 

Aos amigos cervejeiros, e são tantos, tá dado o recado em primeiríssima mão ! A boa notícia é que em breve teremos novidades sobre a produção em escala de microcervejaria aqui na Bahia. Tem um ortopedista por aqui que vai quebrar a perna de muita gente, rsrsrsr. É esperar …

ABRAÇO 

PANÇA CHEIA

SAUDAÇÕES

Salvador, 01 de julho de 15